O fundador

O Santuário, esplêndido exemplo de fé, história e de arte genovesa, foi construído pelo Servo de Deus Padre Carlo Giacinto Sanguineti, membro da Ordem dos Agostinianos Descalços. Nasceu em Gênova em 5 de setembro de 1658; deu início à vida religiosa em 18 de agosto de 1675; Padre Carlo Giacintofoi ordenado sacerdote em 20 de setembro de 1681; faleceu em 23 de abril de 1721. A humanidade e espiritualidade do fundador era tamanha que na história civil  e religiosa de Gênova ele ocupa uma posição relevante. Personalidade com um caráter afável e austéro, culto, sacerdote e orador devoto, estudioso e escritor de teologia bíblica e mariana ( Mater Amabilis, Pratica del vero amante della gran Madre de Dio, Biblia Mariana): estes são os dados mais salientes da sua vida. Teve grande influência no  clero e na aristrocracia, mas o seu principal contato foi com a classe menos favorecida da população. Durante o bombardeamento naval da frota francesa de Luis XIV (maio de 1684) desempenhou um papel importante com o confrade e mestre espiritual Padre Antero Micone que o levou a notoriedade. Morou no convento de S. Nicolau até 1696, ano da inauguração do Santuário da Madonnetta no bairro de Righi: sem dúvida nenhuma o episódio mais importante da sua vida. Em apenas quinze anos construiu uma das igrejas mais lindas e caraterísticas, destinada a ser do início o centro oficial da vida religiosa da República de Gênova. Ao lado do Santuário construiu o convento para os religiosos; contemporaneamente fundou uma comunidade de Terciárias Agostinianas Descalças para que colaborassem nas atividades do Templo.  Faleceu no seu Santuário e foi sepultado na capela de Nossa Senhora. Na lápide rudimentar de ardósia esculpiram o louvor: humilis.